0800 006 3029 De segunda a sexta, das 9h às 18h (exceto feriados). Ligações gratuitas, inclusive de celulares.

A Braskem já encerrou a extração de sal e agora vai fechar os poços em Maceió

No dia 13 de novembro, a Braskem apresentou às autoridades medidas para o encerramento definitivo da extração de sal e fechamento de seus poços em Maceió. O plano de fechamento vem sendo tratado pela empresa com o órgão regulador, a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Dentre as medidas apresentadas, a Braskem propôs a criação de uma área de resguardo em torno de 15 poços, que envolve a realocação de pessoas e desocupação de imóveis.

No dia 3 de janeiro de 2020, a Braskem assinou um acordo com as Defensorias e os Ministérios Públicos Estaduais e Federais, ampliando o perímetro de desocupação para as áreas de criticidade 00 indicadas no mapa da Defesa Civil municipal de junho de 2019, além de incluir outros 62 imóveis do bairro Bom Parto também indicados pela Defesa Civil (veja o mapa mais abaixo).

Assim, o novo mapa de desocupação passa a abranger áreas dos bairros Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto, totalizando cerca de 4.500 móveis nos quais vivem aproximadamente 17.000 moradores. A estimativa é que todas as realocações sejam concluídas em dois anos.

Pelo acordo, os moradores serão atendidos no Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação, já implantado pela Braskem para moradores da área de resguardo e que prossegue normalmente.

O Programa contempla auxílio aluguel, compra do imóvel e pagamento de valores referentes a danos materiais e morais, além
de auxílio para mudança e assistência social e psicológica. A Central do Morador, em Maceió, concentra os atendimentos.
 
A Braskem continua à disposição para esclarecer todas as dúvidas e apoiar a população.

Para isso, disponibilizou um telefone de atendimento direto e gratuito, o 0800-006-3029. Se você tiver outras dúvidas, também pode consultar nossa página de Perguntas e respostas ou enviar uma mensagem clicando aqui .

 

 

O tremor de terra em Maceió

Desde março de 2018, quando aconteceu o tremor de terra na região, a Braskem está colaborando com as autoridades.

A empresa assinou dois termos de cooperação com o poder público para a adoção de medidas emergenciais de apoio à comunidade, o que permitiu, por exemplo, a intensificação do monitoramento da área pela Defesa Civil.

No primeiro termo de cooperação, firmado em abril de 2019, a empresa doou e instalou equipamentos de medição meteorológica e aparelhos DGPS para identificar movimentações no solo, realizou a inspeção de imóveis e providenciou a execução de obras de drenagem e pavimentação das ruas, eliminando rachaduras e diminuindo a infiltração de água no terreno.

O segundo termo de cooperação, assinado em dezembro de 2019, ampliou a estrutura e o poderio de monitoramento da Defesa Civil por meio da instalação de novos aparelhos de DGPS, computadores, nobreaks, câmeras e drones, a apresentação de novos estudos de sísmica e a instalação de uma rede de sismógrafos da UFRN.

As obrigações assumidas no Programa de Compensação e Apoio à Realocação e as iniciativas da empresa nos termos de cooperação não significam o reconhecimento de responsabilidade da Braskem sobre a ocorrência de rachaduras nos bairros, decorrentes dos eventos geológicos de março de 2018, conforme esclarece o acordo.

Até o momento, não está estabelecida qual a relação entre o fenômeno geológico em Maceió e a operação dos poços de extração de sal da Braskem.

Por isso, estudos ainda estão sendo feitos por institutos independentes, do Brasil e do exterior. Quando esses estudos forem concluídos, serão apresentados ao poder público e à população de Maceió.